.

" Em momentos de crise, só a imaginação é mais importante que o conhecimento".
(Albert Eisten)

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Manhã de sábado, prefeita para uma primeira vez.

Vou contar o que eu gosto de fazer sábado de manhã, ver desenho animado, não gosto de novelas, ou telejornais, nem aqueles tenebrosos programas dominicais, ou semanais, eu me divirto vendo desenho animado, turma da Mônica, os pinguins de Madagáscar, os vingadores, eu geralmente estou na cama, sem nada para fazer, ou fazendo as unhas, e hoje de manhã estava fazendo as unhas, até que meu celular tocou, era o Skype, o toque é muito baixo, só percebi por que ele estava ao meu lado, era um candidato a escravo de Fortaleza.

Ele já tinha conversado comigo, acho que me encontrou no blog, não sei depois pergunto a ele, mas conversamos por e-mail, depois Skype, e isso tem quase dois meses, e a partir dai, tivemos todos os tipos de desencontros, ele me contou algumas histórias que me fizeram duvidar dele. Pois foram três desencontros grandes, primeiro ele tinha anotado errado o numero do meu celular, e eu não tinha perguntado o dele, ele me disse que chegou no lugar maracado, e não tinha como me ligar, achei a mais mirabolante das histórias, pois ele tinha que chegar e me ligar, e somente depois disso eu diria onde eu estaria, depois no dia que aconteceria o encontro, uma ou duas horas, depois da hora marcada ele me liga, disse que tinha caído de moto, fiquei preocupada mas ele me disse que foram apenas arranhões e não tinha quebrado nada, na terceira vez foi assaltado no ponto de ônibus, neste dia fiquei puta, pois ele me disse que estava saindo e nunca chegou no local marcado, neste dia eu xinguei muito, pois estava com raiva, mas alguma coisa me dizia que não era lorota, eu confiei nele, e dei algumas tarefas para fazer, trabalho mesmo, para ver qual era sua postura, e percebi que eu não estava errada.

Agora que começa a história iniciada, acima, eu deitada na cama, vendo desenho, quando o Skype tocou, era ele querendo uma ultima chance, eu simplesmente disse, só se for agora, saia de sua casa, e venha, as respostas demoravam, celular não é tão bom quanto o pc. Ele foi me mandando mensagens, avisando, quando estava quase chegando e quando estava no local marcado, então eu liguei, eu o estava vendo, do alto, conversando com ele o conduzi até minha casa, e começamos a brincar, a cada pratica, eu sentia seu corpo vibrar, primeira vez, primeira penetração, primeira surra, prendedores de mamilos, vendas, bondage, seu corpo respondia a cada toque a cada chicotada, seu corpo ficou todo molhado, transpirava tanto, que deve ficou completamente molhado, dos pés a cabeça, como se tivesse saído de uma piscina.

Um dos momentos que mais gostei, foi quando ele estava de joelhos, eu sentada na cama, libertei seus braços, passei meus braço ao redor do seu corpo, e puxei a corda que pendi o pênis introduzido nele, ele tremia, era tão intenso, ele por quase não conseguir se segurar de joelhos as mãos apoiadas na cama tentando manter o equilíbrio, o anus doendo devido a força que  fazia na corda, eu disse que ele poderia me abraçar, e foi um abraço tão forte, que nossos cheiros se fundiram, o seu corpo gritava, e o grito era tão alto, que não apenas escutei, como senti toda a vibração do grito.

Claro que esqueci de tirar fotos da brincadeira, acabei tirando algumas em sua melhor posição, de escravo pronto para servir.

2 comentários:

Camila Midori disse...

Pandora, não tenho intenções de querer ser sua sub. O que pergunto é apenas a título de curiosidade: Como faz para escolher os submissos que lhe serve?

A Pandora disse...

Camila,

Geralmente afinidade, gosto de conversar e conhecer o candidato a escravo, ele tem que me encantar.
Tem que ter algo que eu goste.
E eu gosto de conhecer pessoas, conversar com pessoas, ele vai ter a chance da primeira vez, com um bom papo, mas para ter uma segunda, tem que me encantar.