.

" Em momentos de crise, só a imaginação é mais importante que o conhecimento".
(Albert Eisten)

quinta-feira, 28 de maio de 2020

Continuação do expectativa x realidade

Quando eu reduzi as expectativas, a realidade melhorou, tudo que está acontecendo comigo é muito intenso, e não sou do tipo que esconde, majora ou reduz sentimentos, eu simplesmente os sinto na intensidade que eles vão aparecendo, então as decepções mesmo que momentânea, esquentam meu sangue, sou intensa, e ao mesmo tempo fria, tudo depende do que eu sinto, e normalmente não gosto de me envolver emocionalmente, por isso que as vezes pareço fria, apesar da intensidade com a qual eu vivo as coisas.
Depois que passou as três semanas, bem já estou em maio, e lembrar do que aconteceu em dezembro, será um pouco complicado. Mas no terceiro encontro, foi tão bom quanto os outros, mas eu o machuquei, e também meio que atrapalhei suas convicções, ele tentou ficar longe, acho que estava tentando reorganizar o que sentia, como assim ele gostava de uma mulher que o tratava como escravo, que o usava para obter prazer, como ele se submetia a todos os meus caprichos e vontades. E ao mesmo tempo como ele gostava e sentia prazer em tudo isso. A mente humana é estranha, e a primeira reação é de tentar reprimir, pois seu ser diz que isso tudo é antinatural, mas não há nada mais natural do deixar o sentir livre e viver toda esta estranha experiencia de servir e pertencer, e mesmo assim ser livre.

Fiz o almoço, gosto de cozinhar, e modéstia a parte cozinho muito bem, minha comida é saborosa e bem condimentada, sou baiana, então, tempero sempre tem na comida, mas desta vez, eu coloquei um prato de comida no chão, na frente do meu escravo nú, ele me olhou com interrogações no olhar, só lhe falei: coma, ele olha para a comida e depois para mim, e disse não, olhei severamente para ele é disse, ou come ou não vai comer mais nada, vai ficar ai sem levantar, sem se mexer, até deixar o prato limpo, vai comer e lamber o prato. E ele ficou parado de 4 diante do seu prato, por pelo menos trinta minutos até que abaixou e começou a comer, e sem levantar comeu tudo, conforme eu havia ordenado.
Eu senti mais uma pequena ruptura de paradigma nele, sua evolução estava acontecendo lentamente, mas eram nas pequenas atitudes que eu via sua entrega acontecendo, e isso me deixava cada vez mais feliz.



quarta-feira, 8 de abril de 2020

Expectativas e realidades

Sempre falei que a pessoa nunca deveria criar expectativas, pois a realidade sempre vai atrapalhar, e o que as pessoas não falam não podemos adivinhar, bem que eu queria, mas ainda não recebi uma bola de cristal, e as vezes é difícil seguir os próprios conselhos não é mesmo?
Quando a gente vê, já está arrumando desculpas para o comportamento das pessoas com quem nos importamos. E quando tem uma história que desejamos acabamos nos decepcionando.
Então ando meio triste com uma coisas, eu já conheci pessoalmente o ultimo brinquedo que adquiri quando ainda estava em Aracaju, no meu ultimo fim de semana, antes do final definitivo da obra, marquei e sem expectativa nenhuma o conheci, tanto que eu estava dormindo quando ele chegou.
E tive um encontro tão excepcional, que me deixou tão feliz, que simplesmente baixei a minha guarda, acho que este foi o meu erro, pois eu me abri totalmente, sem nenhuma reserva, me expus e mostrei tudo o que eu sou.
Vou abrir um parenteses aqui, para falar uma coisa de mim, quem me conhece, vê sempre eu com a face séria, não sou de ficar rindo com pessoas que conheço pouco, e tenho uma certa reserva com demonstrações públicas de carinho, não consigo evitar, quando fui em uma festa fim de semana retrasado em Aracajú, um amigo que gosto muito veio me dar um celinho, foi instantâneo e instintivo, eu afastei, ele ficou magoado, tão magoado que falou até babar a noite inteira, mas tem coisa que não consigo evitar, sou assim.
Voltando ao assunto, parenteses fechado, depois deste encontro, a conversa fluiu maravilhosamente bem, então a expectativa, que não costumo ter, apareceu, eu estava feliz, pois pensei, encontrei exatamente o que esperava, eu senti uma felicidade plena e leve, já tinha mais de 3 anos que não tinha nenhuma conexão como aquela, foi uma simbiose, não somente durante as 24 horas do encontro, como no mais de um mês que se seguiu, mas o segundo encontro, não sei por causa da expectativa, ou do que aconteceu.
Bom esta história está parada a umas 3 semanas, fica difícil, concluir, quando a história fica mudando de acordo com o passar do tempo. Quando eu acho que está tudo definido que não tem como mudar, tudo muda. estava tão estranho, pois foram três semanas monossilábicas, e então ele voltou, tão submisso quanto a primeira vez, acho que o processo de cura dele foi bem mais lento, não a pele externa, pois esta não feriu, mas na cabeça dele tudo fica bem mais intenso que na maioria, pois ele tende a racionalizar tudo. Não consegue deixar fluir, seria bem mais fácil.
Bem acabamos marcando um encontro no final de semana seguinte, a história continua......



sábado, 28 de dezembro de 2019

A Coleira, como se escreve? Que nome fica entre as chaves? Qual a Grafia correta?

        A uns 10 anos atras, tive um discussão em um grupo a respeito de como seria denominado a coleira ou como escreveria, qual a forma correta, então vou deixar todos tristes, pois tem algumas formas convencionais, que difere totalmente uma da outra. Qual seria a forma correta, o que era normatizado? Fizemos até uma lista de discussão em um grupo BDSM do yahoo, a muito tempo atras, então vou colocar aqui as formas existentes e cada um Top escolhe a sua.
  • 01 - {submisso}_Top;
  • 02 - {TOP}_submisso;
  • 03 - submisso {T} (somente a inicial do TOP)
  • 04 - e outras formas que são personificadas pelo Top...
         Então desculpe a desilusão da maioria, os dinossauros normalmente usavam sempre a opção 02, era tradição, hoje achariam um absurdo, pois cada uma tem a sua explicação, e vou te falar é até aceitável. Vamos as explicações de cada denominação.

01 - Sendo esta a mais usada hoje, o nome do submisso entre chaves, com letra minuscula, seguido de underline, que representa a coleira e o nome do Top depois como se ele tivesse puxando a coleira.

02 - Como eu já falei a mais usada entre os dinossauros, pois o nome do Top entre chaves com letra maiúscula, para mostrar quem é o dono, se o sub usar a coleira física, é o melhor visto, pois o cachorro leva o nome do dono pendurado no pescoço, seguido pelo underline, que representa a coleira, e o nome do sub depois, todos os 6 subs que tive ao logo desses mais de 20 anos, não sei se usaria, ou se mudaria para a forma mais atual, não tem como fugir, sou mesmo um dinossauro, mas os dinossauros podem se atualizar. Vamos ver como vai ficar no meu próximo brinquedo.

03 - Esta eu vejo mais em coleiras de passeio desta forma, as vezes até sem o nome do sub, apenas com a inicial do dono pendurado no pescoço, até causa estranheza com os baunilhas, pois as vezes não é a mesmo do sub. Mas como coleira virtual não é tão usual.

04 - Para este item a imaginação é o limite.


domingo, 24 de novembro de 2019

Uma surpresa

Como fins de semana nós dois estávamos ocupados, eu com o meu novo brinquedo de Lauro, um post que ainda estou escrevendo, e tive que parar para escrever este aqui, e ele, meu brinquedo desde Aracaju também, estava ocupado devido ao trabalho, então resolvemos nos encontrar na quinta-feira,  mas o de hoje foi sobre uma noite inusitada, pois isso não aconteceu algo que nunca tinha acontecido comigo. Então vou contar aqui.
Bem quinta-feira chegou eu ainda trabalhando super atrasada e recebi uma mensagem dele falando que estava atrasado e adiando 2 horas, o que foi bom para os dois. 
Ele foi me buscar no trabalho, e fomos para o meu apartamento, ele colocou cerveja para gelar, depois foi retirar minhas botas, passei o dia todo com elas, e precisava realmente de uma boa massagem, o que recebi, estava ótima, depois fui tomar um banho bem relaxante, ao sair do banho ele estava me esperando, passou hidratante em todo o meu corpo, massageando por um bom tempo, depois disso tudo é claro que eu relaxei, me senti bem renovada, então, começamos a brincar, amarrei suas mãos, coloquei um cinto de castidade nele, peguei meu ovo (que tem um vibrador nele), ele me olhou como se implorando para não colocar, o olhar me encantou, mas não me convenceu, então o virei e mandei apoiar a cabeça na cama, coloquei uma camisinha no ovo e o introduzi nele, e coloquei pilhas novas, e o vibrador no máximo, o levantei, joguei ele na parede, colei meu corpo no dele, pequenos toques, leves e fortes, beijos e caricias, o virei, peguei meu chicote de velas quentes, o chicoteava e também fazia carinhos, foi uma brincadeira bem intensa. 
mandei que se ajoelhasse, coloquei nele uma mascara que tinha apenas um furo, um furo grande apenas no local da boca, ele começou a me fazer oral, eu gosto muito de sua boca, ele me fez gozar muito, várias vezes consecutivas, ele tem bastante folego, o muito me agradou.
Ele estava de cinto de castidade, então coloquei uma prótese em suas mãos, então eu continuei a gozar, consecutivamente, mesmo com ar condicionado no máximo, estava quente, quando ele tirou a prótese, não aguentou e encostou em mim, o clima quente, ele estava muito excitado, o pênis preso em um cinto de castidade, até que escutei um estalo e um grito gutural, quando olhei, ele tinha partido o cinto de castidade, eu nunca tinha visto isso, foi a primeira vez que alguém ficou tão excitado que quebrou o cinto.
Adicionar legenda
Neste momento ele estava gritando, pois apenas a parte que envolvia o glade do cinto quebrou, o resto estava inteiro, então falei para ele segurar o cinto aberto, enquanto eu abrira o cadeado, e tirava todas as peças do seu pênis, é claro que não podia perder uma ereção daquelas, tirei o conto, peguei uma corda, amarrei bem firme e o usei, lógico, seria um desperdício não usar, já que o cinto de castidade estava perdido e não poderia ser usado novamente, então tinha que aproveitar o que provoquei.
Depois de umas tres horas brincando, descansamos um pouco, abrimos algumas cervejas, fomos beber e comer um tira gosto, e eu fui trabalhar, tinha dois relatórios para entregar, e ficamos conversando, bebendo e eu trabalhando até as 3 da manhã, até que eu vi ele dormindo sentado. Terminei os reltatórios, fomos dormir, claro que tive que acordar mais cedo para fazer o cronograma, e entregar, mas eu confesso, adorei a noite, vamos repetir.



quarta-feira, 20 de novembro de 2019

Um pulo em Salvador


         Fui rapidinho em Salvador, cheguei na segunda e voltei na sexta em casa, nossa, foi uma semana muito, muito pesada, trabalhei tanto. E também fiquei procurando local para alugar, nossa como eu rodei em Lauro de Freitas, foi difícil mas consegui um local perto do trabalho. 
            Mas mesmo sendo apenas 5 dias, e trabalhando todos os dias, eu consegui tirar uma folguinha para receber a visita de um brinquedo que usei bastante em Aracaju. Pense em um brinquedo bom de usar, onde todos os dias que usei me diverti bastante, e desta vez sem  meu arsenal de brinquedos. 
          Vou abrir um aspas aqui, "não dá para viajar de avião, mala de bordo e levar alguns brinquedos, sempre pode ter a chance de alguém barrar, e ainda por cima passar vergonha no aeroporto, então já não levo, nada estranho, mas as algemas de velcro desmontadas, fitas de seda para cbt, e bastão de cola quente para usar de chicote, já ajudou bastante".
         Voltando a brincadeira, sim, foi muito bom e eu me diverti bastante, usei todas as pequenas coisas que trouxe, a fita de seda para cbt é muito boa, fica bem firme, achei que fosse soltar fácil mas não soltou, eu adorei, ele nem tanto. Acho que uma tira de cola quente doeu mais do que as 7 que tem no chicote. 
           A novidade é que depois de passar uma semana em BH dia 15/11 em pleno feriado, estou de novo na Bahia, terra que amo, onde nasci, e ficarei em Lauro de Freitas por 3 meses! Que esta terra me receba de braços abertos.


quinta-feira, 7 de novembro de 2019

Voltei para BH


          Sim, eu voltei para BH, cheguei no domingo a noite, e segunda cedo já comecei a trabalhar em uma nova obra. E como era reforma, trabalho de dia e de noite, sério sou terrível para ficar até tarde na rua me divertindo, brincando, ainda mais trabalhando, isso eu não consigo mesmo, por um grande motivo, a porra do meu relógio biológico, me faz acordar as 6 da manhã. E não adianta, só se eu tiver muito cansada e tomar um banho morno, eu consigo dormir de dia, e o cansaço vai acumulando, mas seria uma obra rápida, 45 dias, que aceleramos e terminamos em 32, bem antes do previsto. 
          O que é bom e ruim, bom é que o serviço acabou e ruim é por que o serviço acabou, tem uma frase que bastante, acabou milho, acabou a pipoca, então o dinheiro também para de entrar.
Mas a vantagem de não ter obra, é ter tempo, então fui brincar, quase um mês de abstinência, a obra finalizando, então marquei de brinquei na segunda-feira, logo após o almoço, o mesmo sub divertido da uma brincadeira que já contei aqui. Desta vez ele não me fez rir tanto, mas me deu muito prazer, o que me deixa feliz também. Foi uma boa tarde, e depois voltei a trabalho, bem mais relaxada e o trabalho passou bem rápido. 
          Também estava conversando com um sub, daqui que me oferecia 24x7, mas ele ofereceu sem ter a real noção do que significava, e era uma coisa que ele não conseguia me dar, eu não entendi, por que a pessoa oferece algo que não pode dar, principalmente por que eu não pedi, estou em um processo, que gasta uma parte do meu tempo livre, com o nosso brinquedo que tenho, algo que ainda está em processo de maturação, mas eu estou gostando do que estou vivendo, nossa, olha eu mudando de assunto, iria falar de uma coisa que me desagradou e a minha mente já reverteu a história e colocou algo que eu gostei, ou melhor que estou gostando, desta forma é novo, por causa da distância, algo que odeio, mas posso aguentar, pois temos tempo para uma coisa muito melhor, o conhecimento, podemos nos conhecer, ficar íntimos sem nos tocar, mas acho que isso só se tornou possível depois do nosso primeiro encontro, da comunhão e de como um completou o outro. Mas até dar certo tempo um longo caminho.
          Voltamos ao que queria contar antes de começar a divagar sobre assuntos que ainda estão em processo de acontecer. Minhas novas brincadeiras, eu tive uma semana realmente bem interessante, então vamos ao encontro de quinta feira, o meu pior dia de trabalho, trabalhei tanto aquele dia, estava trabalhando, era quase 20:00 horas, quando estava falando com o sub que tinha me oferecido o 24x7, falando que não daria, pois ele não tinha tempo nem disponibilidade de me servir como deveria, então marcamos de conversar neste dia, e eu brinquei também, ele serve para um dia de diversão, pois enquanto em uso, é um sub bem obediente, e sempre me dá muito prazer.
         A semana continuou, e trabalhando menos com mais tempo, ainda trabalhei na sexta, mas sábado foi dia de ficar em casa, uma coisa que gosto muito é passar a tarde com minha mãe vendo TV, ela não está atarefada com os netos nos fins de semana, então fica um pouco entediada sem ter o que fazer, por isso gosto de fazer companhia a ela, as vezes ficamos só nós duas, então assistimos muita tv a cabo ou Netflix, e acabo colocando uma séries em dia.
           Mas domingo é um dia preguiçoso, então gosto de agitar este dia, e fui conhecer um sub novo, já tínhamos conversado bastante, mas as conversas estavam muito intermitentes, as vezes ficávamos um bom tempo, depois semanas sem conversar, meu tempo é curto, isso eu sei, mas quando eu vejo vontade e dedicação do sub, eu dou a ele meu tempo, mas meu feeling é bom no quesito deduzir a vontade do sub em servir. Então marcamos de nos ver em uma sorveteria que eu adoro, conversamos mais um pouco até que ele não tivesse mais nenhuma duvida. E falei, vamos brincar? Acho que ele não esperava o convite, mas não recusou, quis brincar, e foi até divertido, então depois de usá-lo me divertir, dei para ele um tempo para ruminar tudo o que aconteceu com ele.
          Depois de uma semana bem agitada, tive alguns dias de puro relaxamento, e também de muitos compromissos familiares, mas eu estava tão relaxada, então as brincadeiras não fizeram tanta falta.



terça-feira, 5 de novembro de 2019

a Despedida de Aracaju



Faltava pouco tempo para voltar a BH, eu estava com aquele ar de despedida, querendo rever todos, meu trabalho a mil, sem tempo, mas quando queremos sempre damos um jeito, claro que Sensu, sempre foi quem eu mais via, sempre dava um jeito de ir vê-la, passar na loja, ou marcar no shopping, ou em qualquer lugar com desculpa para um café, mas o grande motivo era conversarmos, temos quase a mesma idade, e pensamos totalmente diferente uma da outra, e como existe um respeito mutuo pelas idéias e pessoas, nos damos tão bem, depois de um mês longe de Aracaju, sempre sinto falta das nossas conversar e nossos cafés, também do feio, seu marido e companheiro nos nossos passeios.
Bem depois alguns passeios, ou o que eu gosto mais, receber em casa, gosto de ter amigos no meu convívio, gosto de trazê-los para dentro do meu lar. E foi excelente noites, mas agora vou falar apenas do ultimo fim de semana, antes da minha volta para BH.
Primeiro fui com uma amiga, Natasha, visitar um lugar lindo, eu adorei, pois eu estava desde o dia 10 de janeiro em Aracaju, e só tinha ido a praia duas vezes, então fomos a Croa do Goré, mas eu não pude beber, e olha que eu estava de folga, mas tive que voltar a obra, a tarde para conferir se o trabalho foi executado, e se estava tudo como deveria, pois, eu não voltaria mais na obra até o dia da viagem de volta. Então tive que ficar trabalhando pelo celular, a paisagem era linda, e companhia muito agradável, então nos divertimos bastante.
A noite, acabei encontrando com alguns poucos amigos, tomamos vinhos e rimos bastante, teve uma frase, que tenho certeza que Sensu, sempre vai lembrar, da "senhorinha de 50", eu ri muito, principalmente da indignação, e acho que Nat ainda vai escutar muito isso.
No dia seguinte, sexta feira, fui no mercado, tinha que levar algumas coisas para casa, e quase que deu excesso de bagagem, comprei muita coisa para levar, se pudesse levava Aracaju e seu povo na mala. com certeza.
na sexta a noite recebi alguns amigos em casa, era a despedida da despedida, ultimo fim de semana, estava melancólica e feliz ao mesmo tempo, pois sabia que sentiria muita falta de todos, e foi neste dia que fiz a transferência de posse, dei o meu brinquedo Lucky para a minha amiga Sensu, pois ela poderia cuidar bem dele, já que eu estaria longe. E não teria como usá-lo como fazia quase todos os fins de semanas. Tivemos algumas plays, rimos muito, e a festa rolou até as duas da manhã ou mais, não lembro bem, sexta feira, a festa pode ir até mais tarde.
Mas eu tinha um compromisso as 6 da manhã, isso mesmo, a doida aqui estava esperando um brinquedo de Salvador. E como ele viajou a noite, chegou bem cedo na cidade, e como teríamos pouco tempo, já que domingo eu voltaria cedo para BH.
E como eu não saberia se estaria acordada, deixei a chave na recepção falei para ele entrar e deitar no outro quarto, quando eu acordasse, conversaríamos. Sei que sou a doida, como assim, era o nosso primeiro encontro, e como eu confiei tanto assim nele. Olha eu também não sei, mas foi uma empatia automática, começamos a conversar ano passado, foram alguns meses, muita conversa, conversamos sobre tudo, eu gosto de homens inteligentes, gosto de conversar, não somente usar os brinquedos eles tem que me distrair, física e intelectualmente, claro que não se pode ter tudo, mas quando temos é simplesmente muito bom.
Bem voltando ao assunto, o meu delicioso sábado, eu ainda sonolenta, o chamei para o meu quarto, eu ainda deitada, o coloquei de joelhos aos pés da cama, e a conversa fluiu muito bem, a visão dele ajoelhado alegrou meu começo de dia, como eu gosto do escravo nú, foi assim que mandei ele ficar, gostei da vergonha dele quando eu inspecionei todo o seu corpo, ele disse que nem no exercito ficou com tanta vergonha. Eu achei bonitinho isso.
Acordar e brincar é muito bom, como sou uma pessoa diurna a manhã para mim, é sempre boa para brincar. E depois de usá-lo me deu fome, então tomamos um banho, e descemos para tomar cafe da manhã, depois do café a lombeira, bateu, pois eu dormi, apenas 4 horas, sempre durmo 8, ele nem tinha dormido, conversamos e brincamos por umas 3 horas, eu estava morta de sono e cansaço, falei que iriamos dormir apenas uma hora, acordei três horas depois e ele ainda estava dormindo, claro que o acordei também, fomos para a sala, ontem tinha um delicioso sofá, acho que já falei dele, pois era muito, muito confortável, fui fazer almoço, depois de tanto tempo é claro que não lembrar, nem sei se foi eu mesmo ou foi ele, sei que depois relaxamos no sofá, quer dizer eu no sofá e ele no chão, o local de um escravo, dando conforto para a sua Sra, ele até aprendeu a fazer café, do jeito que eu gosto, foi um dia delicioso, brincamos várias vezes, eu o usei bastante, aconteceu uma coisa rara, uma comunhão, uma simbiose difícil de ocorrer, isso me deixou tão leve e feliz ao mesmo tempo. Que a partir deste dia, com certeza investi nesta relação, e depois de tanto tempo, acho que ele tem a chance de receber a minha coleira, mas isso só saberão nos próximos capítulos, pois acho que a novela será longa.
E no domingo, acordamos já com nostalgia, minha amiga Sensu e feio vieram para me levar no aeroporto, e nós quatro partimos a caminho do aeroporto,  pena que a distancia é bem pequena, de ponde eu estava até o aeroporto, ele me fez companhia, até a hora do embarque, nos despedimos com a certeza, nos veríamos novamente.








domingo, 27 de outubro de 2019

A minha ultima Play da Temporada

Após o meu aniversário, trabalhei pesado durante a semana, eu estava andando na obra uma média de 7km por dia, chegava em casas muito cansada, era apenas banho e cama, se não fosse o pilates dia sim e dia não, e os comprimidos de dorflex, eu não tinha aguentado o pic, pois o retorno a Aracaju, o trabalho foi vem puxado. 
Mas como tem uma balança que equilibra tudo, tive um fim de semana excelente, eu recebi um sub de Salvador, ele chegou na sexta, mas como tinha que trabalhar, marcamos no sábado ao meio-dia, pois eu fui na obra de manhã, ao chegar no Flat, ele estava me esperando, lembrei do seu sorriso encantador, um abraço de saudades apertado, parecia que não tinha passado tanto tempo, eu o conhecia desde 2012, e foi um sábado delicioso, subimos para o Flat e passamos o dia brincando, e realmente foi muito bom.Conversamos também, gosto de homens inteligentes com quem podemos falar de tudo.
Eu o convidei para participar da Play comigo, e com o meu brinquedo de Aracaju, o que foi maravilhoso, a interação dos dois, como eles se deram bem, deixaram meus olhos brilhando de orgulho, e fizemos algumas brincadeiras muitos divertidas. Amarrei meu brinquedo de Aracaju no pilar, desci suas calças pois não iria bater em nada macio, comecei a usar os meus chicotes, e os dos amigos, até que olhei para o lado e vi o sub de Salvador no chão, como um cãozinho, olhando para mim, aqueles olhos brilhantes e negros pedindo para ser usado, e é claro me comovi mandei que levante-se e o coloquei em pé nas costas do outro, e comecei a bater nele também, foi muito divertido. Eles suportavam intensidades e tipos diferentes de dor, e eu naquele momento preferia utras emoções, e brincar com os dois, ao mesmo tempo me agradou bastante.
Meu amigo Kiniun me deu os parabéns, eu falei com ele que não era só a dominação, é que eu era mulher e ele homem, que fazer duas mulheres interagirem em uma cena, era muito mais complicado, do que dois homens, as pessoas podem até brigar comigo, mas graças ao meu ser, gosto apenas de homens, por que nós mulheres somos complicadas demais. Foi realmente uma noite memorável, minha ultima play em Aracaju, claro que depois fiz uma pequena despedida, com pouquíssimas pessoas, no flat, mas eu sempre vou ter boas lembranças de tudo que eu fiz, nas plays de Aracaju, um povo alegre e amigo, que vale a pena rever sempre, nossa como ficarei com saudades de todos.





segunda-feira, 9 de setembro de 2019

Aracaju, o retorno com aniversário


          Eu simplesmente adorei saber do meu retorno a Aracaju, eu me trabalhei muito, muito mesmo, andava na obra entre 5,00 km e 7,00 km todos os dias, voltei a média de 10 horas por dia, mas também foram semanas deliciosas no quesito BDSM, pois recebi dois escravos de Salvador, brinquei com um que já tinha aqui. E ainda fiz a transferência de um escravo meu para uma amiga. 
          Realmente aconteceram muitas coisas, então vou contar aos poucos a medida que aconteceram.
          Eu cheguei aqui na semana do dia 13/08, e no fim de semana já era meu aniversário, então teve festa na piscina do hotel, recebi alguns amigos bdsm, e a comemoração foi ótima, meu escravo chegou mais cedo para ajudar nos preparativos, ganhei dois bolos, da minha amiga Sensu e do hotel, já que queria deixar o jantar pronto, por que eu sei que a festa que iria começar ao meio dia, iria durar muito. E foi exatamente o que aconteceu, durou muito tempo a turma só foi embora as 22:00 horas, já que era domingo dia 18/09 e todos tínhamos que acordar cedo na segunda-feira para trabalhar, pelo menos a maioria. 
        Não cheguei a brincar nos primeiros dias, por que eu realmente tinha muito trabalho, então deixei a maioria das brincadeiras marcadas para o fim de semana quando teria mais tempo. Então lá vai uma pequena série de encontros, que serão narrados durante este curto período de tempo em Aracaju.


quarta-feira, 7 de agosto de 2019

De volta a Aracaju



         Vou passar mais 15 dias em Aracaju, já estava com saudades de todos, e revê-los será muito bom, mas então eu me despedi de BH, com o meu mais antigo brinquedo, apensar de uma grande decepção de ontem a noite, hoje de manhã eu tive uma boa alegria, esqueci das fotos, só tirei uma a que está acima, mas a sua pele ficou tão linda marcada, que me bastou admirá-la. 
            Como é bom brincar com alguém que conhecemos a muito tempo, já são quase 20 anos, e ele é como o vinho só melhora com o tempo. Eu com ele gozo mais vezes do que consigo contar, acho que vou usá-lo para sempre.
           Tive uma manhã excelente, e até trabalhei durante a tarde, vou ter boas lembranças, e tudo isso aconteceu em uma quarta-feira qualquer.

domingo, 28 de julho de 2019

Festa em BH


          Tem muito tempo que não vou em uma festa em BH, estava com saudades da Ellen, e de me divertir em festa em BH, Por que em Aracajú eu tive em algumas. (depois falo mais das festas de lá) então eu fui, convidei dois brinquedos para ir comigo, mas apenas um pode ir, Antes da festa foi comemorar o aniversário de uma amiga. Que foi muito divertido, muito mesmo.
          Bem voltando a festa, eu cheguei tarde, era 23:00 horas, e ao entrar encontrei um velho amigo saindo, e nem tivemos tempo de conversar. A festa foi bem divertida, apensar de não ficar muito tempo, apenas duas hrs, eu re-encontrei vários amigos, e conversei um pouco com cada um deles, eu ri um pouco com a Ellen também, o clima estava animado. E bem leve.
          Eu levei um brinquedo que tenho a anos, quase 10 acho, ele vestiu uma roupinha de empregada que tenho, e claro, por que ele estava apavorado com medo de ser descoberto, eu apensar de entender o medo de ver pessoas do seu circulo de amizade em uma festa destas, a probabilidade de encontrar algum conhecido é minima, mesmo BH sendo um ovo, e o meio bdsm daqui seja um ovo de codorna, eu mesma nunca reconheci ninguém do meio baunilha nas festas. 
         Voltando ao brinquedo, era a primeira dele em festa, e ele estava com medo e vergonha, e com aquela roupa, eu até deixei ele usar uma mascara que deixa só os olhos de fora, assim ficou menos paranoico, e pode aproveitar também a festa. 
          Para quem nunca foi em uma festa, tem 3 pessoas que fazem festa bdsm, pelo menos uma vez por mês tem uma festa em BH, então aproveite e vá, se divirta.


De volta a BH


Vou dar uma parada nos posts de Aracaju, ainda tenho muita coisa a postar, e agora tenho tempo, posso ir escrevendo e postando, eu estou meio de que de férias em BH. Mas eu resolvi postar uma coisa desta semana, ou melhor semana passada. 
Na semana que cheguei mudei o status do whatssApp, claro que depois de uma semana que cheguei, pois tinha ainda muito trabalho a entregar, então não avisei a maioria das pessoas que cheguei, mas na semana seguinte já estava com o status mudado, e só tinha marcado com um brinquedo, em uma quinta feira, eu estava escutando musica e arrumando gavetas, pensa em um programão, ai recebo uma mensagem:
Olá Senhora
Lembra de mim?

                           Boa tarde

Tudo bem?
Lembra do sub medroso?
da Ligação do carro?

                          Sim,
                          Agora lembro do susto.

Então
Vi que a Senhora está em BH
E por coincidentemente estou aqui pro seu lado.
Está com a tarde livre?

        Bem difícil ficar digitando assim, então vou resumir, ele me disse que estaria com a tarde, livre, eu perguntei quanto tempo ele tinha, pois por pouco tempo e nem sairia de casa, quando ele me disse que tinha a tarde inteira, o que mudou de figura. Então finalizei a gaveta que iniciei a arrumação, tomei uma ducha rápida e fui me encontrar com ele.
        Descobri que tinha brincado com ele a 7 anos atrás, e só lembrei quando ele me falou quem era, do episódio do susto, por que tínhamos nos falado apenas por e-mail, depois mensagem, e ainda não tínhamos conversado por telefone, quando eu enfim liguei para ele, ele tomou um susto tão grande que derrubou o telefone no chão, depois do barulho caindo, ele atendeu nervoso, aqueles segundos de espera foi engraçado, senti sua respiração e previ seu medo, talvez por isso lembrei dele depois de tanto tempo.

       Voltando a mensagem que recebi, começamos a conversar, e como ele disse que tinha toda a tarde livre, marcamos nosso encontro, e ao entrar no meu carro, ele estava muito diferente do que eu me lembrava, parecia outra pessoa, claro que era o mesmo só que 7 anos mais velho, por isso a diferença, e não foi só nisso, também estava mais solto e confiante, pelo menos parecia, mas o coração deveria estar disparado tal como a primeira vez. A brincadeira foi leve e divertida, e a tarde foi ótima.

Este post foi escrito a duas semanas, eu justo quando eu tenho mais tempo, foi quando eu menos escrevi, quem vai entender se eu mesma não entendo? Acho que a idéia de estar de folga, eu desacelero e faço tudo sem tanta pressa! quer dizer, sem pressa nenhuma.







segunda-feira, 8 de julho de 2019

Em Aracaju - Uma experiencia BDSM e sua evolução - Parte 05






Este é mais poste do meu brinquedo de Aracaju, foi um dia bem legal, eu não gosto de Sissy, nunca tive nenhuma, só vou conseguir escrever a história por que tirei várias fotos com a sequencia do que por que estas fotos já tem quase 2 meses, mas como foi um dia interessante eu quis compartilhar.
Eu ganhei esta roupinha de empregadinha da minha amiga Rainha Frágil, usei algumas vezes apenas, usei? Palavra correta, coloquei apenas algumas vezes em meus brinquedos. E o luke, ficou lindo com ela, meio desajeitado, mas compensava, por que é um bom sub. 
Claro que eu fiz algumas pequenas torturas, uma delas foi a hora do almoço, acredita que ele não gosta de abobora? É tão delicioso, e nem foi de propósito mas o almoço daquele dia foi creme de abóbora, geralmente sub não tem sorte mesmo, e o melhor foi como ele comeu, de 4, sem poder colocar as mão no prato, e não podia deixar nada no prato, teria que lamber até ficar limpíssimo, e foi o que ele fez, o que me deixou bem orgulhosa, mas também se ele não comesse a surra seria grande, e também iria ficar com fome, pois eu não deixaria ele comer, nem beber mais nada.
Depois do almoço, relaxamos e fomos ver um filme, bateu um soninho, que fui dormir um pouco, claro que ele foi para o chão do lado da minha cama, ele não dormiu, mas eu também só dei um cochilo. Foi um dia excelente.








sexta-feira, 5 de julho de 2019

Em Aracaju - Uma experiencia BDSM e sua evolução - Parte 04

Era uma terça-feira, chamei a Eva para uma brincadeira, mandei meu brinquedo vir, era para ser um fim de dia divertindo, chegamos todos quase juntos em casa, pois todos viríamos direto do trabalho ou curso, mas no final ela não podia brincar, o motivo do encontro era para nós duas usarmos o meu brinquedo, o que não aconteceu. 
Então aproveitamos para jogar conversa fora, enquanto meu brinquedo luke, fazia nosso jantar, ele não é bom da cozinha, e tive que dar orientações e assistência, mas ele até que se saiu muito bem, não queimou nada, e serviu nosso tira-gosto, ele foi a nossa mesinha de centro. e batemos um bom papo juntas. E acabou sendo divertido. 


sábado, 18 de maio de 2019

Em Aracaju - Uma experiencia BDSM e sua evolução - Parte 03


 Pronto, já era o terceiro encontro, a tensão da primeira vez tinha passado, como tinha se passado pouco mais de uma semana, a pele dele já tinha sarado, descobri outra coisa que ele não gosta, que para o azar dele é uma que eu adoro, CBT, eu adoro amarrar as bolas, bem separadas, amarrar o pênis, e desta vez, eu o amarrei na coleira, assim, ficaria vem interessante e iria incomodar muito mais, por que aliviar se posso piorar, ver em sua face o incomodo, me agrada, principalmente quando o sofrimento fica exposto em todas as expressões faciais e corporais.

Para ele é algo novo, pois além de não ter experiencias, física, também não tem emocionais, ainda mais que entrou no meio por curiosidade, e depois que vislumbrou todas sensações que poderia ter, gostou. Ele estava me devendo 34 chicotadas, por causa de um jogo interno nosso, então eu dei uma opção de como eu aplicaria o castigo. Que poderia ser amarrado, ou solto, ele me perguntou qual era a diferença, e eu disse, que iria doer, ele iria se contorcer demais, e ele poderia virar de uma vez, na hora que eu tivesse aplicando o castigo, e poderia pegar em lugares mais sensíveis, tipos saco, pênis, lateral do corpo, e bem amarrado o risco seria menor. O que eu não menti, vc se tiver que responder alguma questão nunca minta, mas não disse que depois de amarrado, seria difícil eu não finalizar o castigo, e foi o que aconteceu, claro que eu não bati nele com a força do braço, só fiz isso poucas vezes, e em quem realmente aguentaria isso.
Então amarrei seus punhos, amarrei uma corda na outra para ficar maior, deitei ele na cama, passei a corda por debaixo da cama, e com esta mesma corda eu amarrei suas pernas na altura dos joelhos, ficou bem firme, pois ficou difícil de ele se virar, depois dele amarrado bem devagar, subi sua blusa, desci sua cueca, até a corda, alisei sua bela bunda, esperei um tempinho, pois a pequena espera antes do castigo, é tão agoniante e tão satisfatória para mim do que o próprio castigo, eu gosto destas pequenas torturas, elas também me divertem.
 Peguei o chicote, ele é feito de cabos de fones de ouvido, amarrados em uma palmatória, o melhor dele é que não assusta com o olhar, parece quase inofensivo.
Apliquei a primeira, esperei ele sentir, sua respiração parou, mas após a segunda, ele segurou, depois de algumas eu perguntei, quantas foram? Ele não sabia, então fiz ele iniciar a contagem de cada chicotada, e a medida que ia aumentando ele ia se contorcendo, mas estava amarrado e não tinha como fugir, seus cabelo voavam junto com o movimento do seu corpo e cabeça, quando eu acabei, ele respirou fundo, estava tão lindo que quis tirar fotos, ele pediu para ver, eu gostou tanto do efeito como eu gosto, eu acho que ele não gosta da dor, mas a beleza das marcas o encanta, tanto quanto eu, só que eu ainda gosto da textura das marcas, e também da temperatura da pele. Ele disse posta no grupo, meu brinquedo também é exibicionista.
depois de tudo claro que teve um momento de calmaria, alguns afazeres, mas no final do dia, eu lembrei de uma coisa, as velas que tinha comprado. Queria fazer um salto com velas, que ficou bem interessante, amarrei uma corda na porta da copa, e falei segura na corda pois ficará cansado. e coloquei duas velas acesas abaixo dos pés dele. Ficou tão lindo! E eu fui bem boazinha,, pois deixei ele pouco tempo nesta posição.






segunda-feira, 13 de maio de 2019

Em Aracaju - Uma experiencia BDSM e sua evolução - Parte 02


Bem, não sei quantas partes terão esta história, mas vou contando a medida que acontece, claro que com um pequeno atraso, entre os acontecimentos e as postagens, mas a vida de gente normal é assim, com grandes paradas para trabalho, família e amigos.

Bem a primeira play com ele, foi interessante, comecei pela podolatria, que eu adoro, eu realmente gosto de podolatria, é algo que me excita, mas como ele não é podo, e hoje eu sei que ele odeia fazer, tudo era muito ruim, pois ele pegava com muita força nos meus pés, as massagens eram pesadas, e não beijava ou lambia direito, hoje está bem melhor, ele está aprendendo, mas neste dia não foi bom.

como nem tudo é 100% bom ou ruim, amarrá-lo é uma coisa que me dá prazer, pois também é uma coisa que ele gosta muito, deixar sua linda bunda a mostra também, usar uma palmatória nela foi melhor ainda, pois ela aumenta a temperatura da pele e a deixa lindamente vermelha, uma cor que eu adoro na pele.

E convenhamos isso realmente me deixa com vontade de brincar, cada vez mais, tanto que resolvi fazer ele experimentar, o gancho, lindo de aço inox, apesar da bolinha ser pequena, teve uma pequena dificuldade para entrar, talvez por ser a primeira vez, que foi colocado algo maior que um fio terra, mas ele ficou relaxado. Então não tive grandes dificuldades para colocar.


Uma coisa natural dele, e a maneira de servir, claro que ele é meio destrambelhado, mas o jeito meio perdido, também deixa ele doce, pois ele quer fazer e de vez em quando erra.

O que também deixa as coisas divertidas, já que tenho motivos para castigá-lo. Ele vai evoluindo com o passar do tempo. Mas como uma primeira vez, acho que foi bem produtiva.








sexta-feira, 3 de maio de 2019

Em Aracaju - Uma experiência BDSM e a sua evolução - Parte 01

          Ele aparentemente andrógeno, uma bunda redonda de dar inveja a muitas mulheres, lindos cabelos loiros abaixo dos ombos, de uma inocência que chega a ser doce, meio aéreo, quando eu aviso de algo que irei fazer com ele, as vezes faz um movimento de surpresa, solta um eita, seus olhos me olham, faz primeiro uma menção de querer fugir, depois se resigna, respira fundo e faz, então, tem coisas que gosta, outras não, mas ele entende a dinâmica do jogo, e eu o respeito por isso. 
          Gosto do homem que não se dobra as convenções sociais, mas sim aos seus desejos e principalmente a sua Sra, o único motivo para ele dobrar os joelhos, me satisfazer.
          A primeira vez que eu o vi, não me provocou encantamento, achei seus cabelos lindos, mas como diz no interior "não botei reparo", foi de relance, estávamos na play, as meninas estava falando sobre as praticas que ele gostava para apresentar a ele. Eu estava sentada em um dos sofás, conversando com outro novato e um casal de estudantes, o assunto estava interessante e animado, até que Sensu me chamou, Pandora, poderia amarrá-lo? Ele deseja saber como é, então comecei amarrando seus braços juntos, depois, o amarrei no poledance, que tinha no meio da sala. Não sou uma expert em amarrações, mas gosto de imobilizar, então o amarrei com prazer, sempre me diverti amarrando, terminei as amarrações e fiz uma coisa que não deveria fazer, como tinha muitas pessoas brincando com ele, observando a cena, eu sai, e fui continuar o papo que estava tendo com as pessoas de antes. 
            Até que a Lina da festa veio me chamar, dizendo que era para eu afrouxar um poucos as cordas por que ele estava formigando. eu disse, se estava formigando era para tirar não afrouxar, parecia que eu tinha esquecido uma panela no fogo, foi a minha sensação, comecei a desamarrá-lo, o senti mole, meio aéreo, passei meu braco em sua cintura, e o segurei com meu corpo, contra o poledance, ele estava sorrindo, eu falei no seu ouvido, me abraça para não cair, a Lina trouxe um puff colocou atras dele para ele sentar, e ele desmaiou, de repente tinha um monte de gente, cada um falando uma coisa, e levaram ele para a cama, por isso é bom brincar apenas com seu próprio brinquedo, pois conhecendo-o, da para saber como ele é e quanto tempo aguenta, e teve mais, ele sentir formigando a muito tempo, mas como ele estava gostando da sensação não falou com ninguém, por isso também que a responsabilidade de avisar nunca pode ficar com o submisso, principalmente se ele tiver gostando da situação, hoje conhecendo-o como eu o conheço teria ficado perto. mas foi uma coisa leve, ao conversar com ele, ele não sentiu que ia desmaiar, só que estava sentando. Este foi o nosso primeiro contato.
            No dia seguinte, eu tinha chamado as meninas para irem para minha casa, (hotel), então o convidei também, ele e outro novato, apenas para eles se enturmarem com o grupo, era umas 8 pessoas.
            Durante o período que antecedeu o almoço, que durou as 13 às 18 horas, um risoto, delicioso, nem parecia que tinha sido o meu primeiro, pois ficou divino, comecei a dar pequenas ordens a ele, ele obedecia naturalmente e sem pensar direito, apenas obedecia, isso foi ficando interessante, meu sentido aranha, aguçou, até que mandei ele se ajoelhar, e foi tão natural como ele o fez, que acendeu a Domme, depois que todos foram embora aquele dia, e pensei, e por que não?

sexta-feira, 5 de abril de 2019

A proxima festa de Aracajú - PLAY PARTY Kingdom BDSM


Uma coisa eu garanto, 
esta turma sabe promover uma festa, 
a ultima ficou ótima, e eu adorei ter participado, 
por isso estou postando o flayer
da próxima festa BDSM de Aracaju.

quinta-feira, 28 de março de 2019

Um novo brinquedo


          Este post, já está a um bom tempo na minha caixa, a espera de terminar, eu acho que não vou terminar o post totalmente, então vamos colocar apenas o começo dele, depois vou completando aos poucos a medida que as coisas forem acontecendo.
Depois de uma conversa na praia, com uma Domme e uma SW, elas me falaram de sub, como eramos do mesmo grupo, eu tinha o contato dele, e ali mesmo na praia, mandei uma mensagem, marcando um encontro, como já tínhamos nos visto pessoalmente na festa, ele não era um completo estranho, então resolvi marcar na minha casa mesmo, ele chegou, foi logo sentando no sofá, olhei para ele e disse, vc pediu permissão? Eu lhe dei a permissão? ele me respondeu não, e levantou, falei para ele sentar no chão ma minha frente, e disse, vamos conversar.
          Pois a melhor maneira de começar uma relação bdsm é pela conversa, sem receita mágica, conversando sempre podemos nos conhecer melhor, e foi que fizemos, a primeira pergunta é o que vc mais gosta, em que lado do chicote vc está? 
          Ele me respondeu, nenhum dos dois, sou apenas podo, foi um banho de água fria na hora, fiquei sem entender, pois na festa eu vi ele fazendo podolatria em uma das meninas, mas também vi as meninas fazendo outras práticas nele, inclusive um spanking, eu disse fiquei confusa, pois não foi isso que eu vi na festa, e nem foi isso que as meninas me disseram.
          Então eu falei para ele, eu adoro podolatria, é realmente uma prática que me delicio, mas para mim é uma preliminar do bdsm, uma maneira de iniciar, já que é uma reverencia a Domme, pois na podolatria, para ela acontecer, o sub não vai levar meu pé a altura da boca dele, mesmo quando ele está sentado, pois não é meu pé que tem que se adaptar a boca dele, e sim a boca dele se adaptar ao meu pé, tem uma pequena diferença na ação.
          E sentado me olhou de baixo para cima, olhou para os meus pés, olhou novamente para mim e me perguntou em que vc está pensando?
Naquela pequena fração de segundo, eu entendi, ele queria experimentar, queria sentir, mais sobre o universo que ele já conhecia, onde sabia os nomes, sabia as práticas, mas ainda não tinha sido devidamente apresentado, e foi desta maneira, que iniciamos o nosso relacionamento bdsm, Domme x submisso.